Blog
Voltar
07/08/2020 08:38

E você já sabe para que serve o Pix?

Receber uma transferência ou pagamento será muito mais fácil com o novo meio de pagamento criado pelo Banco Central. Pagamentos instantâneos - No Brasil se chamará PIX

Pagamentos instantâneos são as transferências monetárias eletrônicas na qual a transmissão da ordem de pagamento e a disponibilidade de fundos para o usuário recebedor ocorre em tempo real e cujo serviço está disponível durante 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias no ano. As transferências ocorrem diretamente da conta do usuário pagador para a conta do usuário recebedor, sem a necessidade de intermediários, o que propicia custos de transação menores.

A prática de informar número da instituição, agência e conta para receber um pagamento começará a mudar em 5 de outubro. A partir dessa data, os brasileiros poderão cadastrar o método de identificação de sua preferência para receber o Pix, o pagamento instantâneo brasileiro.

Hoje, uma transferência eletrônica de dinheiro demanda que o pagador passe várias informações para o recebedor. A partir de novembro, quando o Pix estará disponível em definitivo, bastará o recebedor dizer sua chave, que poderá ser:

•Número do celular;

•CPF/CNPJ;

•E-mail; ou

•EVP (um número aleatório gerado pelo sistema, para quem não quiser dar um dos dados acima).

Essas informações serão armazenadas em uma plataforma tecnológica desenvolvida e operada pelo Banco Central (BC), conhecida como Diretório Identificador de Contas Transacionais (DICT). O DICT, um dos componentes do Pix, será uma base de dados protegida pelo sigilo bancário e pela Lei Geral de Proteção de Dados.

Essa identificação do usuário, conhecida tecnicamente como chave de endereçamento, será sempre informada pelo recebedor ao pagador. Em seguida, o pagador utilizará o aplicativo da sua instituição financeira ou de pagamento para inserir a chave de preferência do recebedor.

Desta forma, o pagador que tiver registrado no seu celular o telefone ou o e-mail do recebedor poderá fazer a transação sem perguntar o dado. Além do uso de chave, o Pix terá outras formas práticas para iniciar o pagamento, como, por exemplo, a partir da leitura de um QR Code. Tudo isso fará do Pix um meio de pagamento fácil, ágil e conveniente para o cidadão e para todos os participantes do sistema. Além disso, o pagador pessoa física não paga nada por fazer um Pix.

 

 

BENEFÍCIOS

Pagadores: 

Mais rápido, barato e seguro;

Mais prático (uso da lista de contatos no celular ou de QR Code para iniciar pagamentos)

Mais simples (só precisa do dispositivo digital para realizar pagamento, dispensa uso de cartão, folha de cheque, cédulas, maquininhas, etc.)

 

Recebedores:

Custo de aceitação menor que dos demais meios eletrônicos;

Disponibilização imediata dos recursos;

Facilidade de automatização e de conciliação de pagamentos;

Facilidade e rapidez de checkout (não tem necessidade de POS para passar o instrumento de pagamento ou de um caixa para dar troco)


Gostou? Compartilhe!
O que é LGPD na prática?
A Lei 13.709/2018 dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, pelos cidadãos e organizações públicas ou privadas com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade.A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais...
Campanha Sulcredi 15 anos
       Na noite de terça-feira dia 1 de dezembro na agência matriz de São Miguel do Oeste, aconteceu o Lançamento da Campanha Sulcredi 15 anos Cooperou, Raspou, Ganhou. O diferencial desta campanha é que os associados...
XIII Convenção Sulcredi
     Tanto tem se falado sobre a nova Lei, LGDP e diante deste cenário a Sulcredi realizou sua XIII Convenção, sua primeira convenção online, para tratar desse assunto de tamanha relevância para o dia a dia da Cooperativa...
Resiliência Financeira. Saiba como atravessar a crise
    O surgimento da pandemia de Covid-19 fez com que grande parte da população ficasse inseguro em relação às suas finanças. O estresse aumentou, o medo de perder o emprego se potencializou e a resiliência financeira...