Blog
Voltar
13/02/2020 07:23

Quando uma cédula está rasgada, você sabe até onde ela é válida para a circulação?

O Banco Central do Brasil é a instituição responsável pela emissão das cédulas, pelo lançamento das moedas nacionais e pela atividade de saneamento do meio circulante. As duas ações, emissão e saneamento, visam manter o dinheiro em circulação em boas condições de uso.

Devem ser retiradas de circulação as cédulas manchadas, sujas, desfiguradas, gastas ou fragmentadas; com marcas, rabiscos, símbolos, desenhos ou quaisquer caracteres a elas estranhos; com cortes ou rasgos em suas bordas ou interior; queimadas ou danificadas por ação de líquidos, agentes químicos ou explosivos etc.

As cédulas inadequadas à circulação podem ter valor ou não ter valor, em função do grau de dano apresentado:

 

Cédulas inadequadas à circulação, COM VALOR

 

1. Cédulas não-utilizáveis – são aquelas inteiras, mas desgastadas pelo uso. Têm valor e podem ser utilizadas normalmente pelo público. Por estarem muito desgastadas, os bancos devem, ao recebê-las, encaminhá-las ao Banco Central para destruição.

2. Cédulas dilaceradas – são aquelas que se encontram com algum dano, podendo apresentar-se inteiras ou fragmentadas, devendo, neste último caso, possuir mais da metade de seu tamanho original em um único fragmento. Elas têm valor somente para depósito, pagamento ou troca na rede bancária. Assim sendo, os bancos devem recebê-las do público e trocá-las por seu valor integral ou aceitá-las em pagamentos ou depósitos. Posteriormente, essas cédulas devem ser encaminhadas ao Banco Central para destruição.

Cédulas inadequadas à circulação, SEM VALOR

3. Cédulas mutiladas – são aquelas que não têm valor porque não apresentam um fragmento com mais da metade do seu tamanho original.

4. Encaminhamento de cédulas MUTILADAS para exame no Banco Central – O Banco Central possui, nas suas dez representações, um serviço para exame de cédulas que suscitam dúvidas quanto à sua valorização.

Dessa forma, essas cédulas podem ser entregues à rede bancária, que, mediante recibo, deve acatá-las e encaminhá-las ao Banco Central para análise e possível valorização.

A seguir, estão listados alguns exemplos de cédulas que não possuem um fragmento com mais da metade do seu tamanho original, mas que podem ser entregues aos bancos para serem remetidas ao Banco Central para exame de valorização.

https://www.bcb.gov.br/cedulasemoedas/cedulasinadequadas?fbclid=IwAR2hNzQX-GCBDuLVehuiJS98--8gqzIGgtDn7F4QzT33suJMM9rNEy0Tbm0


Gostou? Compartilhe!
Treinamento
        Com interatividade, os profissionais da equipe comercial e backoffice participaram durante a semana de um treinamento no auditório da cooperativa, ministrado pelo gerente de parcerias Embracon João...
Consórcio: O que é e como funciona
Se você está pensando em fazer um consórcio para adquirir bens ou serviços, mas tem dúvidas sobre o que é e como funciona o Sistema de Consórcios, saiba que essa modalidade é simples e fácil de compreender. Veja só:Dizemos que consórcio...
BC promove educação financeira para melhorar relação dos brasileiros com o uso do dinheiro.
Uma das dimensões da Agenda BC#, pauta de trabalho centrada na evolução tecnológica para desenvolver questões estruturais do sistema financeiro, é a educação financeira. Nesse sentido, o Banco Central conta com uma série de iniciativas para...
TED, DOC e book transfer: entenda como funcionam os tipos de transferências entre contas
As principais formas de se transferir dinheiro de uma conta para outra no âmbito do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) são: Transferência Eletrônica Disponível (TED), Documento de Crédito (DOC) e transferências entre contas da mesma...