Blog
Voltar
13/02/2020 07:23

Quando uma cédula está rasgada, você sabe até onde ela é válida para a circulação?

O Banco Central do Brasil é a instituição responsável pela emissão das cédulas, pelo lançamento das moedas nacionais e pela atividade de saneamento do meio circulante. As duas ações, emissão e saneamento, visam manter o dinheiro em circulação em boas condições de uso.

Devem ser retiradas de circulação as cédulas manchadas, sujas, desfiguradas, gastas ou fragmentadas; com marcas, rabiscos, símbolos, desenhos ou quaisquer caracteres a elas estranhos; com cortes ou rasgos em suas bordas ou interior; queimadas ou danificadas por ação de líquidos, agentes químicos ou explosivos etc.

As cédulas inadequadas à circulação podem ter valor ou não ter valor, em função do grau de dano apresentado:

 

Cédulas inadequadas à circulação, COM VALOR

 

1. Cédulas não-utilizáveis – são aquelas inteiras, mas desgastadas pelo uso. Têm valor e podem ser utilizadas normalmente pelo público. Por estarem muito desgastadas, os bancos devem, ao recebê-las, encaminhá-las ao Banco Central para destruição.

2. Cédulas dilaceradas – são aquelas que se encontram com algum dano, podendo apresentar-se inteiras ou fragmentadas, devendo, neste último caso, possuir mais da metade de seu tamanho original em um único fragmento. Elas têm valor somente para depósito, pagamento ou troca na rede bancária. Assim sendo, os bancos devem recebê-las do público e trocá-las por seu valor integral ou aceitá-las em pagamentos ou depósitos. Posteriormente, essas cédulas devem ser encaminhadas ao Banco Central para destruição.

Cédulas inadequadas à circulação, SEM VALOR

3. Cédulas mutiladas – são aquelas que não têm valor porque não apresentam um fragmento com mais da metade do seu tamanho original.

4. Encaminhamento de cédulas MUTILADAS para exame no Banco Central – O Banco Central possui, nas suas dez representações, um serviço para exame de cédulas que suscitam dúvidas quanto à sua valorização.

Dessa forma, essas cédulas podem ser entregues à rede bancária, que, mediante recibo, deve acatá-las e encaminhá-las ao Banco Central para análise e possível valorização.

A seguir, estão listados alguns exemplos de cédulas que não possuem um fragmento com mais da metade do seu tamanho original, mas que podem ser entregues aos bancos para serem remetidas ao Banco Central para exame de valorização.

https://www.bcb.gov.br/cedulasemoedas/cedulasinadequadas?fbclid=IwAR2hNzQX-GCBDuLVehuiJS98--8gqzIGgtDn7F4QzT33suJMM9rNEy0Tbm0


Gostou? Compartilhe!
CMN amplia escopo das fintechs para ajudar a economia a enfrentar os efeitos do COVID-19
O Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou as fintechs de crédito autorizadas a operar como Sociedades de Crédito Direto (SCD) a emitir cartões de crédito. A mudança faz parte de um conjunto de aprimoramentos na regulação dessas...
Cooperativa Sulcredi inicia implementaçao de politicas de lideranças
A Sulcredi São Miguel iniciou  dia 11 de março a implementação de sua Política de Lideranças, que tem como principais objetivos, buscar uma constante renovação e oxigenação da entidade, já que somos uma sociedade de pessoas. Também se...
Coronavirus
O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje, em reunião extraordinária, duas medidas que ajudarão a economia brasileira a enfrentar os efeitos adversos do COVID-19. A primeira medida facilita a renegociação de operações de créditos de...
‘Minha Vida Financeira’, do BC, vai ajudar cidadãos e empresas a organizarem suas finanças
Você se lembra de quais empréstimos e financiamentos têm em seu nome? Em quais bancos mantém conta bancária? Ou ainda se tem alguma dívida com o setor público federal? Ficou fácil encontrar tudo isso na página Minha Vida Financeira,...